Arranco mais um verso novo
jogo um pouco com as palavras
tanto me interessa o que é triste e dor
como falo de flores de seda e da cor. 
Dou-me aos outros dose a dose
nem me ocorre a ilusão 
de que me ouve um irmão. 
Mas depois de muitas águas 
mas depois de muitos ventos
abrimos as nossas janelas
acenamos uns aos outros
olhamos para o chão em frente
e junto com as flores de seda
ainda lá estão as palavras.



12 comentários:

  1. As palavras
    Sempre o que nos resta no fim de cada dia, de cada alegria, de cada tristeza... No fim de tudo. Gostei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A importância das palavras, como diz. Obrigado pela sua vinda.
      Desejos de Boa Noite.

      Eliminar
  2. Olá!

    " e junto com as flores de seda
    ainda lá estão as palavras."

    Sim, sempre as palavras!

    Saudações!



    ResponderEliminar
  3. Sim, L., as palavras. Sempre as palavras. É através delas que pensamos, comunicamos, moldamos as formas, os cheiros, os sabores, as texturas e a musicalidade das coisas.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inteiramente de acordo, não fossem as palavras e não andariamos aqui.
      Obrigado pela vinda, as melhoras.
      Um abraço.

      Eliminar
  4. Sempre, as palavras estão sempre lá, âs vezes (m,uitas vezes) até as que calamos e queriamos dizer.
    bela aguarela (São todas!)
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre simpáticos os seus comentários. Agradeço muito.
      Um abraço. Até amanhã.

      Eliminar