Postal enviado a um amigo que perdi de vista

Sento-me neste café em Mafra
e lembro-me que foi aqui
que me encontrei contigo
talvez há 50 anos
para te pedir que não desertasses,
todos éramos necessários 
dentro da corporação 
para passar aos outros
a consciência daquela guerra. 
Não foi uma tarde Alegre
e nunca pensei ser tema para um Poeta. 
Ouvimos o bronze do Convento
e nunca mais nos vimos. 




28 comentários:

  1. Voltar a um local onde se reencontra o que de bom a vida nos deixa, em porções preciosas.
    Gostei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto sempre da interpretação que faz. Agradeço-lhe a leitura.
      Boa Noite.

      Eliminar
  2. Será este postal ficção ou realidade?
    Creio que é verdadeiro, desta vez. Bom mesmo seria se o amigo tivesse recebido o postal.
    É muito bom sabermos que não fomos esquecidos, apesar dos pesares.

    Muito interessante a pintura. Há nela, e na frase que a cerca, como que o desejo de dar continuidade a algo.

    Boa noite e um feliz domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O episódio foi real. A única ficção é que o autor deste texto não estava lá. Tudo se passou entre um velho amigo do autor e alguém que o próprio texto desvenda.
      Boa Noite, obrigado pela referência à pintura e por ter vindo.

      Eliminar
    2. Fiquei a pensar no que disse e creio que entendi agora a que se refere o autor do texto.
      O encontro aconteceu efectivamente, Terá sido entre Manuel Ortigão e Manuela Alegre?
      O poeta, no seu livro editado ainda durante a ditadura, cujo título agora não me ocorre, dedicou alguns poemas a Ortigão.
      Mas também posso estar redondamente enganada.

      Obrigada. Boa noite.

      Eliminar
    3. *Corrijo a gralha = Manuel Alegre.

      Eliminar
    4. Pode ter sido com Manuel Ortigão mas também foi com outra pessoa.
      O poema é antigo. Corrigi o final por não saber se o conselho foi seguido.

      Eliminar
    5. Após pesquisa confirmei o cumprimento do serviço militar.

      Eliminar
    6. Também Manuel Ortigão cumpriu o serviço militar e perdeu a vida aos 25 anos de idade.

      O poeta dedicou-lhe o poema «Canção com Lágrimas e Sol» no seu livro: "Praça da Canção".

      Peço desculpa por voltar ao tema, mas só o faço em virtude da referência feita pelo autor do texto:

      ...a consciência daquela guerra.
      Não foi uma tarde Alegre
      e nunca pensei ser tema para um Poeta.


      Obrigada, uma vez mais.

      Eliminar
    7. Após pesquisa confirmo a sua informação.

      Eliminar
    8. Resumindo: o texto que publiquei relembra um encontro que aconteceu realmente com alguém que não é a pessoa por si citada e a quem foi dedicado o poema que refere quando da sua morte.
      Obrigado

      Eliminar
    9. Digo ainda que, quando escrevo no poema "e nunca pensei ser tema para um Poeta" quero dizer que nunca pensei ser aquele encontro tema para um poema.

      Eliminar
    10. Mas refere-se a Manuel Alegre, certo?

      Eliminar
    11. Não posso confirmar. Tudo será mais belo se deixado nessa dúvida.

      Eliminar
    12. Aceito! Longe de mim pretender retirar a beleza ao que é belo!! 😀

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Este é um poema antigo. Está corrigido o final porque não conheço, com efeito, se o conselho foi seguido.
      Boa Noite.

      Eliminar
    2. Após pesquisa confirmei o cumprimento do serviço militar.

      Eliminar
  4. O postal é lindo. Há momentos que não ficam perdidos, mas que não nos trazem respostas. A eles voltamos em lembranças, mas as respostas não estão dentro delas. Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Dzień dobry. Bardzo dziękuję za miłe słowa.
      Tłumaczenie Google

      Eliminar
  6. As nuvens/árvores, definem-se finalmente como árvores/árvores, nesta pequena aguarela de que tanto gostei.

    Não têm fim, as coisas que podem ser temas para os poetas...

    Abraço, L.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela sua vinda. Estou de acordo com o seu comentário.
      Bom Dia e as suas melhoras.

      Eliminar
  7. O Poeta por vezes nem precisa de tema para escrever.
    Este postal é de uma beleza quase surreal, falo da aguarela.
    O poema pode realmente ter acontecido, mas, embora denote a tristeza de não mais se encontrarem, traz recordações que ficam por uma vida inteira.
    Gostei!
    Bom domingo!
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Publicarei várias aguarelas daquela série, agradeço o elogio.
      Bom domingo também para si.
      Obrigado.

      Eliminar
  8. Realidade ou imaginação?
    A aguarela é lindíssima.
    .
    Um domingo feliz

    ResponderEliminar