O que sinto agora

é a tristeza de quando era criança


Quando a brincadeira chegava ao fim

ficava um silêncio cavo de último dia

como se estivesse a abandonar

uma felicidade irrepetível. 


O parque infantil ficando para trás, 

o brinquedo que se partiu irremediavelmente, 

o gelado que chegou ao fim do copo colorido

ou ter de dormir na noite de Natal

e ouvir ao longe as vozes dos adultos

que ainda estavam acordados. 


O que sinto agora

é um silêncio cavo de último dia

como se estivesse a abandonar

uma felicidade irrepetível. 

A vida a ficar para trás.




20 comentários:

  1. A ladainha de ontem à noite era uma interessante e gostosa brincadeira.
    Esta noite a brincadeira chega ao fim.
    A tristeza permanece.

    Uma floresta de cores suaves quase poéticas.

    ResponderEliminar
  2. Há sempre uma vida a ficar para trás... enquanto que se constrói outra que vem por diante.
    Para a frente é que é o caminho!

    E por falar em caminho, a sua aguarela de hoje é um déjà vu pois é tal e qual a paisagem que avistei hoje pelo para brisas do meu automóvel enquanto viajava. ��

    Beijinho e boa noite
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vida são retalhos que se cosem uns nos outros. Paisagens comuns nas estradas de qualquer país.
      Boa Noite
      Um abraço

      Eliminar
  3. A tristeza como refúgio possível onde deixamos as coisas por resolver da nossa vida
    Gostei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coisas que se resolvem com o tempo.
      Obrigado pela classificação positiva.

      Eliminar
  4. Curioso
    Temos a mesma idade
    fomos crianças
    a um mesmo tempo atrás
    era o tempo do bibe
    do peão e do berlinda
    (olho de boi, olho de vaca
    contra-mundo e o papa)
    Era o tempo do hóquei de rua
    com a bola
    usada, roubada ou dada
    pela tasca
    que tinha o jogo de matraquilhos
    Era o tempo do assalto
    à "chinxada" ao quintal dos vizinhos
    roubando nêsperas, ameixas ou figos
    Era o tempo em que o tempo não contava

    Brinquedos de Natal
    mal me lembro se os tive
    mas da ceia
    era eu que a animava
    cantando A Capanera
    com voz de Joselito

    O que sinto agora
    é a alegria de quando era criança
    e é essa
    que me dá força nesta hora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Reconheço todos esses episódios e brincadeiras.
      É bom lembrar, obrigado por trazeres essas recordações.
      Até amanhã
      Um abraço

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Dzień dobry.
      Dziękuję za odwiedziny i słowa.
      Tłumaczenie Google

      Eliminar
  6. O seu poema de hoje Fala-nos de uma tristeza bem mais definitiva do que as nossas tristezas da infância. E no entanto, parece senti-la tão absolutamente desamparado como quando vivia as suas tristezas de menino, L.

    Muito bela, a aguarela.

    Forte abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sua análise é profunda e correcta. Agradeço o enriquecimento da mensagem do meu texto.
      Um abraço
      Obrigado.

      Eliminar
  7. Hoje estou sem vontade de falar e ler
    sobre as tristezas da infância perdida,
    das alegrias e desamores
    e, até, dos amores...

    Por isso venho dizer-lhe, que não direi: PRESENTE!

    Até amanhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não diz Presente mas esteve presente e isso é o que importa.
      Devo agradecer-lhe a vinda. Há momentos assim, aos poucos a "coisa" muda... e pronto.
      Votos de que tudo corra bem.
      Até quando quiser.
      Obrigado.

      Eliminar
  8. El niño se convierte en un adolescente y es un gran cambio en la vida. Desgraciadamente en este año que estamos, los niños no pueden libremente jugar...esperemos que todo cambie y se encuentre la forma de combatir al covid 19

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se encontrará la solución, pero ciertamente llevará mucho tiempo. Tenemos que salir vivos de esto y para eso tenemos que ser estrictos en defensa.
      Gracias por tu reseña.
      Un abrazo

      Eliminar
  9. Caro Poeta/pintor

    este poema que eu acho tão profundo, e que merecia um outro comentário da minha parte, mas, vou apenas dizer isto:

    "eramos tão felizes e não sabiamos"

    Se cuide!

    beijinhos

    :)

    ResponderEliminar
  10. "levei" este poema por empréstimo, espero qu não se importe.
    Abraços
    Bea

    ResponderEliminar