O sonho indiano
  
Era a Rainha Indiana dos meus sonhos 
uma Rainha com todo o corpo descalço 
de seios brancos e musicais 
de cabelos longos negros e brilhantes 
pontuados de gipsofilas rosa.
Mesmo sem palavras eu tudo entendia 
no meu êxtase vedado à realidade
uma lâmina longa e fria trespassou-me 
pelas costas ermas na escuridão. 
Ouvi ao longe um homem que cantava 
uma canção que provocava um halo. 
E eu adormeci.

 



 

14 comentários:

  1. Todo o corpo descalço
    Um conceito interessante

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que adormeceste porque achei ao início um sonho bom mas depois tronou-se um pesadelo.
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que adormeceu. E a seguir? Sonhou com a espada, ou com a rainha nua? :)))
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A seguir tudo se esfuma e acordamos para a realidade.
      Saúde, um abraço.

      Eliminar
  4. ...e eu acordei
    Ainda hoje trauteio
    tal canto
    e revisito
    esse encanto

    ResponderEliminar
  5. Fique curiosa com o comentário de “Flor de nome” e investiguei:

    “Os traços atribuídos a Iracema são análogos à exuberante natureza local. Ela é apresentada como “a virgem dos lábios de mel”, cujos cabelos eram mais negros que a da graúna e o sorriso mais doce que o favo da jati. Essa harmoniosa relação, entretanto, dura somente até o contato da índia tabajara com o colonizador.”

    História da colonização portuguesa?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca li o romance Iracema. O texto publicado não tem a ver com a colonização portuguesa. Apenas surgiu assim.

      Eliminar