Foto de Bartolomeu Rodrigues




A solidão ninguém sabe


A solidão não existe

     há sempre uma voz retalhada

     que nos fala dos nossos vícios 

     o vício de falar 

     o vício de chorar

     o vício de querer um corpo

     o vício de viver 

A solidão não existe 

     nós é que existimos 

     na orla da nossa memória 

     outrora tumultuosa. 

     Há sempre uma voz 

     mesmo que silenciosa 

     num lugar raro

     que nos acompanha

     e sabe tudo de nós 

     mesmo o que escondemos. 

A solidão não existe

     o que existe são os outros

     os caminheiros inúteis 

     mortos antes e depois de nós

     e os rumores que deixam

     nas nossas gavetas. 

A solidão não existe 

     se não acreditas 

     leva contigo a verdade

     eu fico mesmo que enfraquecido 

     ao som de um violoncelo.

A solidão 

é uma chávena de café e um pão 

no início da madrugada.






34 comentários:


  1. Tomar café no início da madrugada, só serve para quem precisar de trabalhar de noite.
    Hábito que desaconselho nos restantes casos!

    Gostei muito de saber que a solidão não existe!
    Gostei ainda mais de ver uma nota positiva no seu texto.

    Um beijinho para confirmar que a solidão não existe
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O café pode ser descafeinado. Obrigado pela solidariedade.
      Um abraço.

      Eliminar
    2. Cheguei aqui tão tarde, porque tenho estado a responder aos teus comentários, querida AFRODITE.
      Após o jantar de aniversário, onde fui convidada, tomei café. Agora não tenho sono.
      Café descafeinado e cerveja sem álcool NÃO tem piada nenhuma.

      Eliminar
  2. Gostei da introspecção do poema
    Muito aprofundada
    Gostei

    ResponderEliminar
  3. O poema e a fotografia são duas pérolas preciosas.
    A fotografia é linda de morrer.
    Se eu fosse poetisa tinha escrito o poema.
    As palavras são as minhas.
    A SOLIDÃO NÃO EXISTE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As palavras são as minhas.
      A SOLIDÃO NÃO EXISTE

      Quer dizer que está de acordo?

      Eliminar
  4. ABSOLUTAMENTE de acordo.
    Um dos seus melhores poemas, na minha opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não tivéssemos combinado, agradecia-lhe o elogio.
      Desejo-lhe uma noite serena.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Twój komentarz jest bardzo obiektywny i cieszę się, że Ci się podobał.
      Uścisk
      Tłumaczenie Google.

      Eliminar
  6. Às vezes,
    vem cantar-me um passarinho
    para minha solidão espantar.
    Entro aqui, bem de mansinho
    e diz-me quem sabe das coisas:
    _ Não temas, a solidão não existe,
    partiu, nas asas do passarinho
    e com ele ...foi voar.


    Um Abraço.
    (este é mesmo para si)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um comentário em forma de poema, que achei bonito e que agradeço.
      Outro abraço também.

      Eliminar
    2. Devo concluir, portanto, que por ora estamos quites.
      No futuro, se verá!

      Aproveito e ensejo para dizer o que esqueci antes de almoço que, naturalmente, terá apenas o valor da minha modesta opinião.

      É o seguinte:- O texto/poema apresentado, desta vez, ficou aquém da beleza e romantismo poético que a fotografia de Bartolomeu Rodrigues me transmite.

      Eliminar
    3. Estarmos "quites" tem a ver com a quantidade de abraços?
      Transmitirei ao fotógrafo (meu filho) o elogio à sua fotografia.
      Muito Obrigado
      Um abraço.

      Eliminar
    4. *Corrijo: 'Aproveito, o ensejo'.

      'Quantidade de abraços'? - Não, claro que não, Luís, que ideia mais peregrina!
      Parece que está obcecado com essa coisa dos abraços. Nada disso.

      Tem a ver com o que lhe disse aquando me comentou neste poema de AGedeão.
      Se acaso retém algo daquilo que lhe digo, deve lembrar-se que prometi retribuir a sua preciosa visita e...cá vim.
      Só isso.

      Um abraço também.

      PS- Por favor, transmita ao seu filho Bartolomeu o meu apreço pela qualidade das suas fotografias. Um dia talvez lhe peça permissão para figurar na minha rubrica de "Fotógrafos & Fotografias". Diga-lhe isso. Obrigada a ambos.

      Eliminar
    5. Então obrigado.
      Já informei o "fotógrafo".

      Eliminar
    6. Muito Obrigada.

      Diga-me, sff, a peça: "Como um pássaro pousado num quintal da cidade", foi escrita por si?
      Tão real, tão actual, que arrepia e amedronta...

      Deixo um Abraço extra.

      Eliminar
    7. Sim, foi escrita por mim. Já agora pergunto-lhe se achou muito longa para ser publicada aqui. Receei que não dessem atenção a um texto um pouco longo. Tenho mais mas não tenho publicado por esse motivo.
      Obrigado pela sua opinião.
      Um abraço

      Eliminar
    8. Publique à vontade. São três Actos maravilhosos de uma peça que merece ser reeditada.
      Há sempre leitores que apreciarão a qualidade da sua escrita, a sua criatividade e fértil imaginação.
      Se não todos, será certamente a maioria os seus actuais leitores. Eu gostei muito.
      Vá em frente, sem temor! :)

      Eliminar
  7. A solidão existas ou não - no mais fino conceito da palavra - a verdade é quye, por vezes, o seu silêncio nos alegra e faz vibrar o ego. Nem sempre a solidão é má companhia. Gostei muito da foto e do poema.
    .
    Na próxima 2ª feira poetizo sobre a quadra natalícia
    Feliz fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas suas considerações sobre o texto e a foto.
      Bom fim de semana.

      Eliminar
  8. A veces unos minutos de soledad, es interesante tener. Un aislamiento del ruído te hace interiorizar tus pendamientos y tener las ideas más claras.

    Besos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estoy de acuerdo, el silencio es necesario. Gracias por la visita.
      Un abrazo

      Eliminar
  9. Tens razão
    não existe solidão
    quanto ao que a solidão é
    corrijo-te a definição
    A solidão
    é uma chávena de café amargo
    e um pão retardado
    no início do quer que seja

    ResponderEliminar
  10. Hum, fiquei baralhada. Começa por repetir que "a solidão não existe" e acaba dizendo que "a solidão é uma chávena de...".
    Para mim a solidão não existe... mas sente-se.
    Confusão! Venha um descafeinado.
    Beijo, bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que acho interessante é exactamente isso, a interpretação, a dúvida, a discordância ou seja, provocar uma resposta, uma sensação qualquer.Talvez a poesia também sirva para isso.

      A solidão
      é uma chávena de café e um pão
      no início da madrugada.

      A solidão é coisa pouca, nós somos a nossa solidão.

      Muito Obrigado por me ter dado a oportunidade de falar um pouco.
      Um abraço.

      Eliminar
  11. Se nós somos a nossa solidão, nunca, jamais, ela poderá ser "coisa pouca". Digo eu!
    Eu, que agradeço as suas respostas.
    Agora... favas!
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, reconheço que não pode ser coisa pouca.
      Só fiquei curioso com a sua referência a "favas", não soube como interpretar.
      Um abraço e um obrigado.

      Eliminar
    2. 12:58 hora de almoço, favas. Coisa pouca!
      Ao jantar, chá e torradas.
      E assim se leva a vida!
      Beijo

      Eliminar
    3. Obrigado pela informação. Favas é coisa de que também gosto.

      Eliminar
  12. Gostei da foto, simples e bonita.
    O poema é mais profundo.
    E acho que solidão existe.
    Mas, também acho que pode nao existir e ser apenas "fabricada".
    Porque pode dizer não â Solidão.
    E por vezes basta apenas tomar um café e olhar a natureza.
    beijo Poeta/Pintos
    :)

    ResponderEliminar
  13. Estou de acordo com o seu pensamento.
    Um abraço

    ResponderEliminar