O rumor daquela noite


Setenta natais depois 

percebia-se o rumor

da noite a aproximar-se. 

Quatro olhares azougados

tomaram o meu lugar

pequenas mãos descobriram

o mesmo que eu descobri. 

Setenta natais já velhos

num sonho sonhado à pressa

antes que fosse dia. 

Quatro olhares azougados

tomaram o meu lugar

sobre as palavras viúvas 

as mesmas que eu descobri. 

Setenta anos depois

tropeçando nas memórias 

ao querer beijá-los a todos

nem dei conta nestes versos

que o natal tinha acabado. 




 

16 comentários:

  1. Curiosamente, este Natal passou demasiado rápido, para mim, em relação a anos anteriores.

    É bom revermo-nos nos gestos das crianças de hoje que nos fazem lembrar a criança que fomos.

    Um tema que me levaria a dissertar sobre as minhas alegrias ao ver, por vídeo-chamada, a surpresa e a alegria do meu neto mais novo.
    Mas este é o seu espaço e é dos seus e de si que o poema fala.

    Gostei muito. Passou rápido, mas foi muito bom.

    Boa Noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a sua pronta vinda. A minha experiência foi idêntica, também vi os meus netos e o seu contentamento. Para o ano se verá como vamos festejar.
      Resto de Boas Festas.
      Um abraço.

      Eliminar
  2. Um bom sentimento pós natal em época de revolução
    Gostei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário. Fiquei a pensar na sua expressão "época de revolução", talvez sim, mas lentamente, ainda não revolucionou onde pode mudar a essência do mundo. Vamos ver quem vence quem.

      Eliminar
  3. Ja miałam święta wiele wrażeni zaskoczenia i pozytywne był.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cieszę się, że ci się podoba. Jestem zadowolony z wizyty. Życzę Wam dobrego zdrowia w 2021 roku.
      Tłumaczenie Google

      Eliminar
  4. .Para o ano que vem haverá outro Natal. Espero que seja muito melhor que o quer acabou de passar.
    .
    Feliz fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Viva!! Gosto sempre de voltar cá para reler os textos e fazer-lhe mais uma visitinha, enquanto o resto dos leitores não terminam as férias natalícias e o vêm alegrar e acompanhar, como sei que gosta.
    Quase sempre descubro algo que antes me havia escapado.

    ...sonho sonhado à pressa
    antes que fosse dia.


    Não sei como consegue imprimir mais ou menos velocidade aos seus sonhos. Um dia há-de explicar-me como faz isso.
    É que há sonhos que eu gostaria de despachar à velocidade da luz e outros há que gostaria de retardar e manter «in aeternum». 😌

    E pronto. Agora vou até à cozinha desligar a panela da sopa.
    É servido de uma sopinha de couve penca - da Póvoa - e feijão manteiga?

    Até logo ou até amanhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É simpático da sua parte voltar para mais uma visita. Isso de sonhar à pressa é como dormir à pressa ou descansar à pressa, não sei explicar, é tudo imaginação. Agradeço o seu convite mas, claro, não posso aceitar por motivos óbvios. Mas fico reconhecido.
      Um abraço. Até logo.

      Eliminar
  6. 3o anos depois, o nascido
    faleceu porque o mataram
    assinalar a data, assim
    não a deixarei morrer

    A outra,
    setenta e quatro anos festejada
    está morta
    (o que se passou ontem
    já não se enquadra
    com a festiva quadra
    pelo mesmo motivo
    do seu, meu amigo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um comentário profundo, sério, que agradeço. Só uma dúvida; o nascido que mataram, não foi aos 33 anos?
      Um abraço.

      Eliminar
    2. Tem razão!
      Confundi com o ano em que o seu gesto determinou o seu destino: a expulsão dos vendilhões do templo...

      Eliminar