Foto do autor do texto



Terracota, malmequer, chocolate, etc. 


Há quem tenha amigos 

à espera no café todos os dias 

no mesmo café. 

Combinam o encontro 

como se fosse o primeiro 

dizem o nome do café 

com o mesmo carinho com que dizem 

o nome dos netos. 

Todos os dias no mesmo café 

já nem precisam de dizer ao empregado

     um descafeinado e um copo de água! 

basta fazer um sinal com o dedo 

ou dizerem

     “o costume!“. 

Sempre à mesma hora 

na mesma mesa 

na mesma vida 

as mesmas palavras 

sobre qualquer que seja o assunto

em conversas repetidas

ou triviais. 

Depois da peregrinação 

a volta a casa 

a caixa de papel pardo 

com os dois bolos do costume. 

Caminham felizes repetindo 

de si para si ao compasso 

a palavra de que mais gostam

e da qual se esquecem constantemente 

terracota! 

terracota! 

terracota!

ou

malmequer! 

malmequer! 

malmequer! 

ou

chocolate! 

chocolate! 

chocolate! 

a cada um a sua palavra.




18 comentários:

  1. Respostas
    1. Qual é a alternativa agora que os cafés estão encerrados?!

      Eliminar
    2. Tomar café em casa com a nossa cara metade, quando há essa metade.

      Eliminar
  2. A felicidade é um caminho que não escolhemos
    É nos entregue

    ResponderEliminar
  3. Ah, meu amigo
    se me limitasse a uma rotina assim~
    hoje, não sei o que seria de mim

    Entendes?

    ResponderEliminar
  4. Sorrio. Não posso deixar de sorrir, L., porque durante muitos anos essa mesmíssima "rotina" foi a minha única quebra de uma outra rotina que me exigia/exige horas e horas de imobilidade e concentração...

    Sem os bolos, claro está, que esses ficavam para as bolsas menos vazias, essa horinha de convívio e troca de trivialidades, era a minha horinha de descanso...

    O nome do café é que, pelo menos para três de nós, mudava; ora era "o escritório", ora "o local de trabalho".

    Agora, porque nem eu nem a Mistral tomamos café, o convívio com outros seres humanos tornou-se tão virtual como a concretização de uma obra poética e a troca de banalidades... também.

    Forte abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos a tendência para criar rotinas sejam elas quais forem. Todas são aceitáveis desde que proporcionem o nosso equilíbrio e podemos ter várias.
      Um abraço também.

      Eliminar
  5. Caro Poeta
    Já tive dias assim, mas havia sempre algo para dizer, para falar e discordar.
    Agora com o confinamento tudo isso acabou para mim.
    Mas depois da vacina e quando me sentir mais segura, talvez volte ao mesmo.
    Para mim é salutar, mas cada qual tem os seus gostos e rotinas, acho eu.
    Um bom domingo e muita saúde!
    beijo de carinho
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devemos respeitar as rotinas de cada um, também temos as nossas e isso por vezes dá conforto e serenidade.
      Obrigado, um abraço.

      Eliminar
  6. Ah como as rotinas fazem bem em se tratando de encontros nos cafés.
    Todas as outras são automáticas_ nos encontros a graça é justamente,
    os papos com quem compartilhamos o chocolate, o mate ,o expresso.
    Boa inspiração.
    meu abraço e boa semana nas rotinas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo consigo, as rotinas dão estabilidade.
      Desejo saudar o seu regresso.
      Boa semana. Um abraço.

      Eliminar
  7. Nunca tive esta rotina com amigos, mas tinha-a com os meus pais. Durante mais de 10 anos, todos os dias almoçava com eles, seguíamos depois até ao café de um amigo da família, e bebíamos sem pressa e com assunto pelo meio, um cafezinho, cheio, bem quente ou normal.
    Mesmo depois do meu pai falecer, continuei este ritual com a minha mãe, até já ela não poder e eu perder a vontade desta rotina.
    Estou comovida, mas penso que nos faz bem estes desabafos.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rotinas que nos confortam, equilibram e deixam boas recordações.
      Fico reconhecido por ter ficado sensibilizada.
      Obrigado. Um abraço.

      Eliminar
  8. Nem café, nem cafés, nem rotinas, nem palavras repetidas à exaustão.
    Sou uma palavra vazia, que gosta de abraços.
    «a cada um a sua palavra» e a minha é: ABRAÇO!
    E um abraço lhe deixo, Luis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada um com os seus gostos e as suas rotinas. Agradeço o abraço e retribuo.

      Eliminar