Uma canção, uma papoila. 


Escrevo ao compasso de uma canção 

agora 

quando tudo em mim faz sentido

num momento apenas 

neste momento melodioso 

em que uma papoila nasceu 

mesmo junto à minha casa 

meu lugar de exílio. 

Lembro-me do teu olhar 

como uma mão estendida 

já não sou clandestino

é para ti esta papoila 

ao compasso de uma canção.




22 comentários:

  1. Ontem um cravo vermelho em alvoroço, emoção, saudade.
    Hoje o nascimento de uma papoila ao som de uma canção.
    Palavras ao compasso do coração do POETA.

    ResponderEliminar
  2. Ahh, L. ; a papoila é sua e de todos os que por aqui passarem, mas eu aceito-a já como se minha fosse :)

    Forte abraço!

    ResponderEliminar
  3. Bom dia!

    Eis uma publicação que me encheu a alma de júbilo.
    Numa espécie de "dia seguinte, ao Dia mais importante", a papoila, no seu vermelho vivo, simboliza a Liberdade, a alegria de correr e saltar pelos campos em flor.
    Claro que a vou levar comigo...!
    Se o autor diz - ou pensa - na sua exaltação generosa pela clandestinidade já ser coisa do passado, que a papoila é para mim, (para todos quantos o venham ler) e eu gosto tanto de papoilas...

    Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um contentamento para mim ter correspondido ao seu gosto. Dado a especial preferência por papoilas, se me enviar a sua morada poderei oferecer-lhe uma parecida. Estou a ver que as imagens abafam os escritos mas... não me importo.
      Muito Obrigado

      Eliminar
    2. Para que não sinta que o seu texto foi esquecido, porque de facto o não foi, trago-lhe um outro comentário.
      Não substitui o anterior, de modo algum. É apenas porque gosto de escrever para si... :)


      Uma Papoila, Uma Canção.

      É ao compasso de uma canção /Quando tudo o que hoje canto
      Me diz livre da mordaça castradora/ Que hoje sinto este nosso exílio,
      comparado com o de outrora...é como um cântico em louvor a uma papoila.

      *_*


      Eliminar
    3. Um comentário em forma de poema, que agradeço.
      Obrigado pela gentileza.

      Eliminar
  4. As papoulas são tão bonitas como frágeis. Embelezam, regra gera, as searas de trigo e de aveia, embora também nasçam noutros locais
    Gostei da tela e do poema.
    Deixo cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. A singela papoila, merecedora de uma canção de embalar, deu todo o espaço aos versos do poeta.
    Faz sentido!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Una bella letra para una canción...ahora y solamente falta la melodía.

    Besos

    ResponderEliminar
  7. "Uma papoila crescia, crescia, grito vermelho num campo qualquer."
    Seria esta a canção que embalou o poeta e que lembra,
    Liberdade, tão bela, tão frágil.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordamos com saudade as canções que ensinavam coisas.
      Um abraço.

      Eliminar
  8. Adoro papoilas vermelhas.
    E gostei muito do poema, que achei cheio de musicalidade.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto dos seus simpáticos comentários.
      Obrigado, saúde, um abraço.

      Eliminar
  9. Caro Poeta

    um poema cheio de ternura.
    gosto de papoilas (de todas as cores) parecem flores de papel de tão frágeis!
    deixo um beijo
    :)

    ResponderEliminar