Foto do autor do texto


Os lápis que tenho gasto a dedicar as minhas rezas


Nunca fui obediente a deuses e a ídolos 

o que querem os deuses é que nos finemos em paz

o que querem os ídolos é que os deixemos finarem-se em paz.

Nunca fiz de um cântico uma reza 

rezar é o que me sai das mãos. 

Os lápis que eu gastei a fantasiar, a rezar 

por todos os que já morreram 

que eram os que sabiam os meus segredos. 

Afio o lápis e continuo a rezar.





22 comentários:

  1. Afio o lápis e escrevo, que o poema é uma espécie de anti-oração — um dia depois da comemoração do 13 de maio, em Fátima — coincidência ou não.
    Como eu tenho um “faible” por lápis, a fotografia fascina-me absolutamente.
    Sabe o que o lápis significa na obra de Thomas Mann?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, fico a aguardar um texto sobre o assunto.

      Eliminar
    2. Já leu “A montanha mágica” lá está tudo bem explicado.
      Não me respondeu, se o poema desta noite anti-religião foi inspirado na corrida de ontem dos portugueses para Fátima.
      Boa noite, afio o lápis e vou-me deitar, sem rezar.

      Eliminar
    3. Ainda não li, tenho-o a aguardar a vez.
      Não foi propositado.
      Bom descanso.

      Eliminar
  2. As nossas obediência são os
    Nossos segredos

    ResponderEliminar
  3. Já leu “Die Lüge als Kunst”?!
    Embora fiel, a tradução está bonitinha.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Dzień dobry, dziękuję za wizytę. Uścisk. Tłumaczenie Google.

      Eliminar
  5. Bom dia!

    Gastar lápis a fazer esboços de desenhos ou a tomar notas para futuros textos poéticos, pode assemelhar-se aos lápis que gastam aqueles que, por certo, "alinhavam" as suas pregações, para pregar a sua fé religiosa a quem os ouve e... reza.
    Creio ser tudo uma questão de crença. Quem ama a Arte que executa, indubitavelmente, reza....Põe a alma e o coração naquilo que faz. Disso não tenho eu a mínima dúvida.

    Este seu texto, entre outras coisas, fez-me lembrar um poema de Manuel Bandeira do qual lhe trago quatro versos:

    E nestes versos de angústia rouca
    Assim dos lábios a vida corre,
    Deixando um acre sabor na boca.


    Terminando com este arrepiante (de tão belo) verso:

    - "Eu faço versos como quem morre."

    Um abraço.

    PS- A foto do Autor está simplesmente fabulosa. Vê-se que ama os seus 'instrumentos' de trabalho, - pois guarda os seus despojos...religiosamente. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei muito do seu comentário de hoje e da referência e transcrição de Manuel Bandeira poeta que também aprecio e que me foi dado a conhecer tinha eu 16 ou 17 anos por alguém que foi importante na minha formação, gosto de recordar essa pessoa como se fosse uma homenagem. Tudo certo no que disse. Esses restos de lápis representam muitas horas de trabalho.
      Obrigado. Um abraço.

      Eliminar
  6. Este seu poema tocou-me profundamente, L.

    Quanto à fotografia, é-me impossível olhá-la sem me sentir invadida pelo cheiro intenso das lascas de madeira dos lápis acabados de afiar. É um cheiro trazido pela memória, não pela sinestesia, mas continua a ser uma das minhas mais fortes memórias da infância.

    Forte abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito satisfeito por ter tocado a sua sensibilidade. Compreendo e sei do que fala quando refere o aroma dos lápis, isso também sucede comigo, confesso-lhe que os tenho numa caixa e os visito e aspiro o seu perfume de quando em vez.
      Obrigado, um abraço.

      Eliminar
  7. Vendo e lendo o poema deixou-me em profunda reflexão.

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Folgo em este texto ter sido útil.
      Obrigado, bom fim de semana.

      Eliminar
  8. Por la colección de lápices que tienes, se ve que no tiras ninguno ....has hecho muy bien. Te ha servido para ilustrar tu relato con esta interesante fotografía.

    Besos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Es una pequeña parte de los lápices que gasté en una época en la que ilustraba libros escolares. Un abrazo.

      Eliminar
  9. Vi-me em criança, assim que olhei a foto. Só podíamos usar lápis, a caneta veio bem mais tarde.
    Cada obra feita com amor, é uma prece.

    Um abraço


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me lembro das canetas de molhar no tinteiro, não havia outras.
      Obrigado. Um abraço.

      Eliminar
  10. Amigo Poeta/Pintor

    Achei uma maneira sui-generis de rezar, mas, nem sempre sabemos como rezar, portanto eu até compreendo esta sua maneira.
    A foto está um primor, para suporte do poema.
    deixo um beijo
    :)

    ResponderEliminar