Foto do autor do texto



Eu estaria contigo agora 


Em que verdade morta te apoias

para me dizeres o que é o bem e o que é o mal? 

Roubas palavras ao que dizes

e disfarças cantando a mesma canção confusa

com que me adormecias. 

Tu ficaste sentada no teu outono até ao fim

e isso determinou a minha partida

embora tenhas sido tu quem partiu. 


Se não tivéssemos ambos

os pés enterrados na terra

eu estaria contigo agora.




20 comentários:


  1. As árvores morrem de pé (tão majestosamente o dizia Palmira Bastos), com as suas raízes enterradas na terra.
    Mal por mal... mais vale viver com os pés enterrados na terra... do que com a cabeça! :)

    Na foto... é um eucalipto?
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo, temos de manter a cabeça sempre do lado de fora.
      A árvore não sei, mas não é um eucalipto.
      Obrigado pela visita.
      Um abraço.

      Eliminar
  2. As verdades mortas não existem.
    As mentiras ilusórias sim

    ResponderEliminar
  3. Tropeço na pergunta
    «Em que verdade morta te apoias
    para me dizeres o que é o bem e o que é o mal?»
    e te respondo,
    a verdade, essa,
    ressuscita sempre
    e o bem e o mal
    sendo um juízo moral
    depende da origem de classe

    (a imagem é bela
    mas em torno tudo seca)

    ResponderEliminar
  4. Os pés enterrados na terra. "Nada sobrevive à implacável raiz que a terra exige" apesar do bem e do mal, apesar das canções de embalar o sono... Um poema muito belo.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse será o caminho a percorrer até sermos acolhidos.
      Boa semana, saúde, obrigado.
      Um abraço.

      Eliminar
  5. Na verdade, quem se pode arrogar o direito de apontar a outrém o que é, ou onde está, o Bem ou o Mal?
    Como se houvessem verdades absolutas...Tristes os que assim pensam.

    Creio que na metáfora dos pés enterrados na terra, será uma forma tão comum a todos nós, de nos sentirmos peados, com peias invisíveis que nos impedem de seguir adiante, tantas vezes impostas pelo nosso conceito do dever.

    Seguindo adiante, vou subir à foto que não consigo associar à casca de nenhuma árvore que eu conheça.
    Creio, que será mais ISTO.

    Tenha um Bom Dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A foto é um pormenor de um tronco de árvore que fotografei mas não sei que árvore é.
      Quanto às suas considerações sobre as ideias do texto estou de acordo consigo. Os pés enterrados na terra pode ter várias interpretações.
      Muito Obrigado, um bom dia também para si.

      Eliminar
    2. Fiz umas pesquisas e quer-me parecer que o tronco da árvore que fotografou, é de um velho carvalho a descacar.
      Continuação.

      Eliminar
  6. BELÍSSIMA FOTOGRAFIA A ILUSTRAR UM POEMA QUE LI E RELI...


    TER OS PÉS PROFUNDAMENTE ENTERRADOS NESTA TERRA É UMA DAS MINHAS MAIORES PEQUENAS CONQUISTAS.

    FORTE ABRAÇO, L.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as interpretações têm muita validade e têm o meu apreço, são um enriquecimento do texto. Muito obrigado.
      Um abraço

      Eliminar
  7. A árvores não tem escolha, mas nós podemos enterrar os pés, em qualquer lugar do mundo.

    Um abraço !

    ResponderEliminar
  8. Um poema que tem tanto de belo, como de dor.
    Poedmeos enterrar os pés em tanto lugar.
    Mas não devemos enterrar a vida.

    :(

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo poema, Luis.
    Sem propósito, mas lembrei, a minha sogra quando queria que eu comesse mais do que punha no prato dizia: filhinha, o corpo não tem raízes na terra...
    Beijo.

    ResponderEliminar