Foto de Ana Luís Rodrigues



Tive de partir


Em que verdade te apoias

para falares sobre o bem e o mal? 

faltam palavras ao que dizes

e cantas sempre a mesma canção 

de versos confusos e agudos 

ficaste sentada no Outono

e por isso tive de partir

embora fosses tu quem me abandonou


se não tivéssemos ambos

os pés enterrados como raízes 

eu estaria contigo agora.



 

12 comentários:

  1. Gosto dessas declarações,assim poéticas ,e ouço um grito daqui
    dessa partida brusca ,Luís De quem tu foges nessa escadaria ? risos
    Não vá , poeta não vá!
    Um abraço de boa noite

    ResponderEliminar
  2. Brancas Nuvens Negras3 de abril de 2024 às 08:02

    Não irei.
    Muito obrigado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Às vezes, partimos, mas ficamos no mesmo lugar... Começamos novas rotinas, novos locais, novas perspectivas...
    Ás vezes, basta; outras, continuamos insatisfeitos...
    Belo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brancas Nuvens Negras3 de abril de 2024 às 22:52

      É como diz. Desde que estejamos ocupados... ficamos.
      Um abraço.

      Eliminar
  4. Olá :)
    Quantas vezes partimos e não saímos do mesmo sítio
    Penso que vale, o coração enfeitar-se de primavera.
    Que as escadas fiquem para quando forem precisas.
    Gostei muito do poema e da fotografia.
    Abraço e brisas doces **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brancas Nuvens Negras3 de abril de 2024 às 22:55

      Montei uma cancela na escada... por agora.
      Um abraço.

      Eliminar
  5. Teresa Palmira Hoffbauer3 de abril de 2024 às 19:50

    A POESIA é uma escada cujo topo toca nos céus.
    Pés enterrados como raízes ficam para sempre prisioneiros da terra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brancas Nuvens Negras3 de abril de 2024 às 22:56

      Assim é, temos raízes, dificilmente mudamos de lugar.

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Brancas Nuvens Negras3 de abril de 2024 às 22:56

      Muito obrigado.
      Um abraço.

      Eliminar
  7. Boa noite Luís,
    Um poema muito profundo!
    As verdades por vezes atraiçoam-nos e acontece a fuga.
    Beijinhos,
    Emília

    ResponderEliminar